O mercado da saúde raramente sofre com baixas ou crises. É um mercado que mantém uma taxa de empregabilidade alta e constante. Por esse motivo, a competitividade também está sempre em alta, e cada vez mais o candidato às vagas precisam de um diferencial.  Nesse sentido, uma Pós-Graduação é absolutamente necessária para o graduado que pretende ser um especialista, e obviamente, se destacar em uma entrevista de emprego.

Hoje vou listar as 3 Pós-Graduações na área da Saúde que estão em alta no mercado em 2019, para ajudá-lo a se orientar quanto a uma escolha. Bora lá?

Resultado de imagem para farmácia clínica

Farmácia Clínica

As atribuições do farmacêutico clínico foram definidas pela resolução nº 585 de 29 de agosto de 2013.
O uso irracional de medicamentos é um dos maiores problemas de saúde pública enfrentados pelo Brasil, onde milhares de pessoas morrem devido à intoxicações.
Seguindo essa necessidade, a farmácia Clínica reconectou o farmacêutico com a área da saúde, elevando esse profissional a um novo patamar e reaproximando-o da figura central, o paciente, trouxe um novo sentido para a profissão farmacêutica.

O que é Farmácia Clínica

Robert Miller definiu, em 1968 que Farmácia Clínica é a área da Farmácia que lida com a atenção ao paciente com ênfase na farmacoterapia. Nesse sentido, essa área de estudo procura desenvolver uma atitude voltada unicamente ao paciente.
A Sociedade Americana de Farmacêuticos Hospitalares (ASHP), define a Farmácia Clínica da seguinte forma: “é a ciência da saúde cuja responsabilidade é assegurar, mediante a aplicação de conhecimentos e funções relacionadas ao cuidado dos pacientes, que o uso de medicamentos seja seguro e apropriado”.
O farmacêutico clínico é o profissional responsável por promover o uso racional de medicamentos, através da educação em saúde, dispensação segura de medicamentos, otimização da farmacoterapia, garantindo segurança e efetividade no tratamento farmacológico, além de ser o profissional responsável pela identificação e resolução de Problemas Relacionados aos Medicamentos.

Pós-Graduação em Farmácia Clínica

O objetivo da Pós-Graduação em Farmácia Clínica é promover a formação crítica e criativa do aluno, destacando seu papel profissional como prescritor.
Além disso, visa analisar os fundamentos da semiologia refletindo sobre o contexto médico que os consolidaram, relacionando-os às novas necessidades multidisciplinares. Também deve aprofundar os conhecimentos sobre Fisiopatologia a partir das diversas concepções, reconhecendo suas implicações teóricas e metodológicas para área farmacêutica e prescrição de medicamentos.
Por fim, o curso visa ampliar a compreensão de concepções acerca de Boas práticas de prescrição e refletir sobre as respectivas implicações para o exercício da Farmacologia clínica e terapêutica.
Saiba mais clicando aqui!
Imagem relacionada

Saúde Pública: ênfase em saúde mental, álcool e drogas

Problemas ligados ao álcool e outras drogas sempre afetaram (e afetam) várias famílias brasileiras. Nesse sentido, a saúde mental do brasileiro nunca esteve tão em evidência, devido as recentes mudanças nas políticas antidrogas, que foram aprovadas pelo senado.

E pelas novas necessidades, o profissional pós-graduado em saúde pública com ênfase em saúde mental, álcool e drogas é o profissional mais indicado para o entendimento das políticas ligadas à esse sistema, além da promoção do bem estar mental de seus pacientes.

Saúde Pública

Saúde Pública é o conjunto de medidas executadas pelo Estado para garantir o bem-estar físico, mental e social da população.

Em nível internacional, a saúde pública é coordenada pela Organização Mundial de Saúde – OMS, composta atualmente por 194 países. O órgão consiste em uma agência especializada da ONU (Organização das Nações Unidas) que trabalha lado a lado com o governo dos países para aprimorar a prevenção e o tratamento de doenças, além de melhorar a qualidade do ar, da água e da comida.

No Brasil, a saúde pública está prevista na Constituição Federal como um dever do Estado (artigo 196) e como um direito social (artigo 6º), ou seja, um direito que deve ser garantido de forma homogênea aos indivíduos a fim de assegurar o exercício de direitos fundamentais.

História do combate às drogas no Brasil

Em sintonia com o modelo internacional de combate às drogas, capitaneado pelos Estados Unidos, o Brasil desenvolve ações de combate e punição para reprimir o tráfico.

A visão de que as drogas seriam tanto um problema de saúde quanto de segurança pública, desenvolvida pelos tratados internacionais da primeira metade do século passado, foi paulatinamente traduzida para a legislação nacional. Até que, em 1940, o Código Penal nacional confirmou a opção do Brasil de não criminalizar o consumo.

Segundo Roberta Duboc Pedrinha, especialista em Direito Penal e Sociologia Criminal, estabeleceu-se uma “concepção sanitária do controle das drogas”, pela qual a dependência é considerada doença e, ao contrário dos traficantes, os usuários não eram criminalizados, mas estavam submetidos a rigoroso tratamento, com internação obrigatória.

Pós-Graduação em Saúde Pública com ênfase em saúde mental, álcool e drogas

O curso qualifica profissionais que lidam com usuários da saúde mental que fazem uso abusivo de álcool, crack e outras drogas. Propõe-se a instrumentalizá-los na perspectiva da Reforma Psiquiátrica e da Redução de Danos.

Saiba mais sobre esse curso clicando aqui!

Imagem relacionadapós

Saúde e Segurança do Trabalho

A saúde ocupacional é tema frequente dos debates nacionais ligados ao setor trabalhista e à área da saúde.

O termo Saúde do Trabalhador sugere uma preocupação com o estado de saúde geral do trabalhador, compreendendo, além da simples ausência de doença, um estado de bem-estar social, físico e mental. Além disso, é um termo histórico, que carrega um conceito que pressupõe a participação dos trabalhadores em todas as questões que dizem respeito à saúde.

Doenças Ligadas ao Trabalho

As doenças do trabalho referem-se a um conjunto de danos ou agravos que incidem sobre a saúde dos trabalhadores, causados, desencadeados ou agravados por fatores de risco presentes nos locais de trabalho.

Tradicionalmente, os riscos presentes nos locais de trabalho são classificados em:

  • agentes físicos;
  • agentes químicos;
  • agentes biológicos;
  • organização do trabalho: divisão do trabalho, pressão da chefia por produtividade ou disciplina, ritmo acelerado, repetitividade de movimento, jornadas extensas, trabalho noturno ou turnos, organização do espaço físico, esforço físico intenso, levantamento manual de peso, posturas e posições inadequadas, entre outros.

Doenças relacionadas ao trabalho são equivalentes ao acidente de trabalho, para fins de concessão dos benefícios previdenciários, sendo chamadas pela Legislação Previdenciária de “doença ocupacional” ou “doença do trabalho”.

Pós Graduação em Saúde e Segurança do Trabalho

A pós-graduação em Saúde e Segurança do Trabalho objetiva atender a grande quantidade de graduados e graduandos em Ciências da Saúde (sobretudo Medicina, Enfermagem e Fisioterapia), bem como nas áreas correlatas à Saúde e Segurança do Trabalho, como Psicologia, Serviço Social , bem como correlatas à Gestão de Pessoas.

Tem como foco ainda atender exigência do mercado de profissionais cada vez mais capacitados, a grande demanda por profissionais com conhecimentos sólidos em diferentes áreas da Saúde e da Segurança Laboral, em um Programa voltado para a realidade dos novos desafios.

Confirma mais sobre o curso clicando aqui!

 

Paulo Bonfá é Analista de Marketing do iBRA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *