Connect with us

Diversos

O boicote inglês contra as redes sociais

Published

on

Com o passar dos anos, as redes sociais se tornaram parte do nosso dia a dia e ponto crucial para nossa comunicação. Todavia, levando em conta a liberdade permitida aos usuários, acabam sendo palco para discursos de ódio e discriminação. 

No meio esportivo, isso não é diferente. Em países com a Inglaterra, jogadores estrangeiros e negros são alvos constantes de comentários racistas ou discriminatórios. Por conta disso, equipes e organizações de futebol inglesas enviaram em fevereiro uma carta aberta aos CEO das grandes redes sociais, pedindo que algo fosse feito para coibir as práticas nocivas.

Um dos pedidos era a criação de um filtro que bloqueasse postagens racistas e discriminatórias, além de um mecanismo para excluir posts abusivos e banir usuários, impossibilitando a criação de novos perfis. Outro ponto tratado na carta foi a criação de um mecanismo mais apurado para identificar usuários, que colaborasse um pouco mais com o trabalho da polícia na identificação de suspeitos e coerção deste tipo de delito. 

Por não receberem uma resposta satisfatória, representantes do futebol inglês convocaram um boicote às redes sociais, que consistia em inativar suas contas no Facebook, Twitter e Instagram durante os dias 30 de abril à 4 de maio, não postando absolutamente nada. 

O boicote, que se iniciou com os times ingleses, foi aderido por grandes empresas criadoras de games, por pilotos da F1 e atletas de outros esportes populares como rúgbi, ciclismo e críquete. As ligas, times e atletas esperam que o protesto dê mais visibilidade para o movimento. 

Outro que se posicionou a favor do protesto foi o Príncipe William. “O abuso racista, seja em campo, nas arquibancadas ou nas redes sociais, é desprezível e deve parar agora. Todos nós temos a responsabilidade de criar um ambiente onde tal abuso não seja tolerado, e aqueles que optam por espalhar o ódio e a divisão são responsabilizados por suas ações. Essa responsabilidade se estende às plataformas onde grande parte dessa atividade agora ocorre”, disse em um post no Instagram.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.